Quarta-feira, 21 de  novembro de 2018

ENTREVISTA: Mário Bruck, presidente estadual do PSB, avalia o cenário eleitoral e aponta as razões para a continuidade do Governo Sartori

Imprimir
Escrito por Luciane Ferreira |  Categoria: PSB - Entrevista
 |  Acessos: 194

 

Há poucos dias das eleições o presidente estadual do PSB, Mario Sander Bruck, faz uma avaliação sobre os problemas enfrentados no Estado, a disputa eleitoral e o papel dos socialistas neste processo. Confira a entrevista exclusiva concedia ao portal do PSB.

 

PSB - Qual o principal problema que o RS enfrenta, na sua opinião?

O principal problema do Estado é fiscal, de fluxo de caixa, onde há uma despesa maior que a receita e que deve ser enfrentado com a dinamização da gestão pública. Por outro lado é preciso ter um forte projeto de desenvolvimento econômico para a geração de emprego e renda, focado no desenvolvimento local, com apoio aos municípios para que também desenvolvam projetos de desenvolvimento econômico tanto no âmbito municipal quanto regional. Com isso, fortalecemos a economia interna, aumentamos a arrecadação e consequentemente a geração de emprego e renda para o povo gaúcho. 

 

PSB - Qual a bandeira prioritária que o PSB irá levar para o governo, caso Sartori seja eleito?

Eu penso que o Rio Grande do Sul precisa crescer e se desenvolver para gerar emprego e renda e fazer com que a economia se fortaleça. A economia no nosso Estado tem uma base muito forte na agricultura, especialmente na agricultura familiar, na pequena e micro empresa, no desenvolvimento regional, nas cadeias produtivas lincadas com a questão da agricultura. Neste contexto eu acredito que o PSB pode contribuir bastante nesta área do desenvolvimento econômico, bem como nas questões sociais. É importante o Estado crescer, mas não podemos nos esquecer das mazelas sociais que nosso estado enfrenta. Eu tenho a convicção de que recuperando as finanças do Estado, temos que investir mais na criança, investir na primeira infância, investir em infraestrutura, moradia e em melhorias nas condições de vida da população mais pobre do Rio Grande do Sul. É nosso dever proporcionar dignidade a essas famílias, um ambiente cultural e educacional que crie perspectivas e prenda à atenção da crianças e dos jovens para que eles possam a partir de novas oportunidades se encaminhar para uma geração futura mais sadia e com condições de contribuir com o crescimento do nosso Estado. 

PSB - Na sua avaliação, quais as razões para o eleitor votar em Sartori no próximo domingo e não no adversário?

A principal razão é a continuidade. O Rio Grande do Sul tem perdido muito ao longo da sua história por não dar continuidade aos projetos. Em um mandato de quatro anos, o primeiro ano é para organizar a casa, montar o governo, organizar as estruturas. Na verdade tu acaba efetivamente governando dois anos, porque depois tu já entra novamente no processo eleitoral. Essa descontinuidade, com troca de governo a cada quatro anos, faz o Rio Grande do Sul sofrer porque desmonta todo um projeto em andamento. No caso específico das eleições deste ano, a descontinuidade do projeto se torna ainda mais desnecessária uma vez que as propostas apresentadas pelo adversário do Sartori são muito semelhantes as que, hoje, estão sendo desenvolvidas no Estado. Então, pra que desmontar todas as estruturas e montar novamente para seguir no mesmo rumo? Eu acredito que isso vai resultar no aprofundamento da crise trazendo prejuízos ao nosso Estado. Além disso, o governo Sartori é um governo sério, transparente, sem corrupção. É um governo que aponta caminhos, fala a verdade aos gaúchos. Sartori não escondeu a crise embaixo do colchão como outros governos fizeram, dando uma aparência de que estava tudo bem quando na verdade iam retirando recursos de tudo que é lugar, deixando uma herança de contas a pagar. O governo Sartori deu um novo enfoque para a gestão pública e mostrou para a população a real situação do Rio Grande. Nos últimos 40 anos cada governo que passou gastou mais que arrecadou e chegamos no fundo do poço. Agora, temos que enfrentar esta realidade e Sartori teve a coragem de dizer isto. Acho que a população está entendo que o Gringo está certo e que o caminho que o Rio Grande do Sul precisa seguir é este. Na medida que as condições financeiras vão melhorando o Estado vai, com certeza, aumentar seus investimentos na saúde, na educação, na segurança e no desenvolvimento econômico.

Texto: Fabiana Calçada

Beto para o Senado é prioridade do PSB, afirma Stédile

Imprimir
Escrito por Daniela de Miranda |  Categoria: PSB - Entrevista
 |  Acessos: 599

ENTREVISTA ESPECIAL - O deputado federal José Stédile se elegeu presidente do PSB gaúcho, em setembro, com uma margem de 167 votos em relação ao antecessor, Beto Albuquerque - futuro candidato do partido ao Senado - com a promessa de buscar mais interiorização e uma "valorização maior do partido na base", especialmente para recuperar o potencial de agregação de filiados perdido em 2014, com a morte do candidato do partido à presidência da República, Eduardo Campos, vítima de um acidente aéreo em Santos, no litoral paulista.

Secretário Fabiano Pereira avalia ações à frente da SOP e projeta mais investimentos

Imprimir
Escrito por Daniela de Miranda |  Categoria: PSB - Entrevista
 |  Acessos: 731

No último dia 27 de novembro, Fabiano Pereira completou sete meses à frente da Secretaria Estadual de Obras, Saneamento e Habitação (SOP/RS). Na entrevista abaixo ― concedida ao programa Governo em Rede ― ele detalha as principais ações realizadas e projeta os próximos desafios, com destaque para os departamentos de Obras, Saneamento e Habitação. O chamamento público para a construção de moradias em Porto Alegre, os investimentos em saneamento e a transição da Metroplan foram alguns dos destaques abordados.

"Não foi por acaso que chegamos à essa descrença na política", afirma Beto Albuquerque

Imprimir
Escrito por Daniela de Miranda |  Categoria: PSB - Entrevista
 |  Acessos: 758

Ex-candidato a vice-presidente em 2014 na chapa com Marina Silva, Albuquerque (PSB) pretende concorrer ao Senado em 2018.
Albuquerque diz que meta do PSB, para 2018, é aumentar a quantidade de deputados estaduais e federais eleitos

Mais Entrevistas da Pauta Socialista

Produção, desenvolvimento e manutenção: