Quarta-feira, 15 de  agosto de 2018

PSB gaúcho debate cenário eleitoral para 2018

Imprimir
Escrito por Daniela de Miranda  |  Categoria: Blog
 |  Acessos: 1042

O PSB gaúcho reuniu no sábado (9) o seu Diretório Estadual para iniciar o debate sobre os possíveis  cenários eleitorais do partido em nível nacional e estadual. O presidente do partido, deputado José Stédile, fez uma explanação sobre as perspectivas, embora tenha ponderado que “tudo ainda é muito incerto e o quadro político pode ser alterado a qualquer momento. Os cenários ainda estão muito indefinidos, mas o PSB já está debatendo as possibilidades”.  Conforme o socialista, no RS, o PSB trabalha com duas hipóteses, fazer composição com alguma das candidaturas postas ou lançar candidatura própria.

Ao defender a unidade partidária para as decisões que o partido precisa tomar no próximo período, Stédile alertou para a grandeza e responsabilidade das decisões, que são de estratégia política. “Aqui no RS estamos fazendo o debate com cautela. Vamos decidir em conjunto em março. A força que vamos ter na eleição depende da unidade que teremos na tomada de decisão”, avaliou ao relatar os pros e contras de cada possibilidade hoje em pauta. 

O dirigente também enfatizou que a pré-candidatura de Beto Albuquerque ao Senado, o aumento das bancadas federal e estadual e  as propostas do PSB para o Estado são bases para qualquer articulação na estratégia de alianças que o partido irá discutir.

Já o vice-presidente nacional do PSB, Beto Albuquerque, fez uma análise da conjuntura política nacional. Beto defendeu candidatura própria à presidência da República como forma de retomar o projeto do partido inviabilizado em 2014 com a perda de Eduardo Campos. “Defendo uma candidatura nacional com identidade partidária, que tenha compromisso com as raízes no partido, para termos  capital político próprio. Uma campanha eleitoral nacional é o maior processo de comunicação com a sociedade que um partido pode ter e não podemos perder esta oportunidade”, enfatizou Beto ao informar que já são 10 estados com candidaturas majoritárias postas. “Precisamos continuar mobilizados. O quadro ainda é incerto, muita coisa está acontecendo e ainda pode mudar”, avaliou ao explicar que de um lado da disputa nacional, atualmente, há a candidatura de Lula que, segundo Beto, se ganhar representa  conflito, e  de outro o Bolsonaro que seria a ruptura. “Temos que encontrar um caminho do meio, que tenha projeto para o país, projeto de desenvolvimento, econômico e social.”

O deputado federal Heitor Schuch defendeu a candidatura própria em nível nacional e estadual. Afirmou que 2018 será o ano do PSB. Para ele “Socialista tem que votar em Socialista”. 

O deputado estadual Catarina Paladini salientou que o debate sobre o processo eleitoral de 2018 precisa ser amplamente avaliado, com responsabilidade diante do grave momento político que vive o país. Registrou ainda que a Bancada do PSB na Assembleia fechou questão para a defesa de realização de plebiscito para privatização da Sulgás, CRM e CEEE. 

Já o deputado Elton Weber também  defendeu candidatura própria mas salientou que é preciso fazer uma análise criteriosa, fortalecer o partido e estabelecer uma pauta até março.”Vamos organizar roteiros e agendas para discutir e apresentar nosso candidato ao Senado Beto Albuquerque”, ressaltou.

Núcleos

Durante a reunião do Diretório do PSBRS, que ocorreu no plenário da Câmara de Vereadores da capital, foram aprovadas as criações dos núcleos dos Indígena e dos Evangélicos.

Ao final da reunião  o deputado federal da Rede, João Derly, fez uma fala saudando os socialistas e  defendendo que as duas siglas possam dialogar e pensar juntas o futuro do país. “Que possamos estar próximos para que dentro nosso campo político possamos discutir um projeto de país”.

 Texto e foto: Daniela Miranda

 

EM PAUTA NA MÍDIA

Mais notícias da Pauta Socialista

MOVIMENTOS SOCIALISTAS

Produção, desenvolvimento e manutenção: