Terça-feira, 21 de  novembro de 2017

Em debate sobre Reforma Política, Beto Albuquerque defende mudanças para 2018

Imprimir
Escrito por Daniela de Miranda  |  Categoria: Blog
 |  Acessos: 99

Ao participar da reunião-almoço "Tá na Mesa" da Federasul desta quarta-feira (06/09), o presidente do PSB/RS e vice -presidente nacional, Beto Albuquerque, defendeu que algumas mudanças nas regras eleitorais já vigorem em 2018. Manifestou posição favorável à cláusula de barreira, defendeu o fim das coligações e a unificação das eleições de 5 em 5 anos, sem reeleição. "O nosso país precisa trabalhar. Não pode parar de dois em dois anos, a cada processo eleitoral."

 Beto Albuquerque avaliou que o sitema eleitoral brasileiro está falido. "O sistema que elege, que governa e que julga hoje no Brasil está falido" , destacou ao argumentar que em 2014 houve um "estelionato eleitoral e o TSE absolveu os envolvidos". Para Beto, a verdadeira  reforma política só poderá ser feita por um governo eleito legitimamente e por uma constituinte composta por pessoas que se comprometam a não concorrer pelos anos seguintes, para não serem privilegiados pelas regras aprovadas.

Beto advertiu, ainda,  que o sistema presidencialista é um atraso e o Governo de coalizão virou um verdadeiro modelo de "troca-troca" entre os mais de 35 partidos que existem hoje no país.  " Diante do que estamos vivendo na política brasileira, o parlamentarismo talvez seja a melhor forma de termos partidos, parlamentos e parlamentares verdadeiramente responsáveis. Será preciso avaliar essa possibilidade, mas não no momento de crise, não como válvula de escape,explicou.

"Eduardo Campos dizia que no dia em que o Brasil discutir política  tanto quanto discute futebol, tudo será será melhor", lembrou  Beto ao elogiar a iniciativa do debate  promovido pela instituição que teve como tema " A Reforma política que o Brasil precisa".

Ao falar do cenário político brasileiro destacou que é preciso  ter mais cuidado e respeito às leis. "Se respeitarmos a Constituição nós já estaremos mudando o Brasil. O que vemos hoje é querem fazer justiça fora da lei e notícia sem prova. Os valores democráticos devem ser  inegociáveis na nossa cultura", ressaltou ao lembrar ainda que a democracia no Brasil ainda é recente. "Nós ficamos longos períodos sem voto. Vivemos uma democracia ainda adolescente e cheia de problemas mas cabe a todos nós resolver as distorções". Chamou à reflexão de que a indignação sem atitude, sem ação, não dá em nada. "Precisamos continuar atrás de líderes. Mobilizar os trabalhadores e os empresários para ajudar o Brasil", defendeu o socialista ao sugerir que as pessoas participem mais da política, critiquem menos e proponham mais. Está em nossas mãos".

O debate foi coordenado pela presidente da Federasul Simone Leite e contou com a participação de Luiz Roberto Ponte, Celso Bernardi, Mateus Bandeira e Valdir Bonato.

Lideranças socialistas como o secretário de Obras, Saneamento e Habitação, Fabiano Pereira, o deputado estadual, Catarina Paladini, o prefeito de Cachoeirinha, Miki Breier, e a vice-prefeita de Santana do Livramento, Mari Machado prestigiaram o debate.

Texto e Foto: Daniela Miranda

EM PAUTA NA MÍDIA

Mais notícias da Pauta Socialista

MOVIMENTOS SOCIALISTAS

Produção, desenvolvimento e manutenção: